A cintilografia miocárdica combinada com ergometria ou teste de estresse farmacológico (medicinal) é o teste não invasivo mais sensível para identificar e localizar redução do fluxo sanguíneo para o músculo cardíaco (isquemia). Além disso, desempenha um papel na avaliação de risco de pacientes com doença cardíaca coronária suspeita ou conhecida e na avaliação da vitalidade do miocárdio (viabilidade do tecido do músculo cardíaco) após um infarto.


Procedimento do exame


O exame é realizado em duas etapas podendo ser realizados no mesmo dia ou em dias diferentes:

  1. REPOUSO: o paciente recebe a injeção do radiofármaco 99mTc – MIBI e aguarda na sala de espera de pacientes injetados por cerca de 60 minutos para aquisição das imagens.
  2. ESTRESSE: pode ser realizada por estresse físico, na esteira ergométrica, ou por estresse farmacológico, por administração endovenosa de medicação estimuladora. Após, o paciente espera por 45-60 minutos antes da aquisição das imagens.

Interação com outra medicação


Os betabloqueadores prejudicam o teste ergométrico, dependendo da meia-vida do radiofármaco devem ser tomados até três dias antes do teste.
Medicamentos contendo cafeína ou xantina, como aminofilina, eupillina, theospirex, spiropent, bem como bebidas com café, chá, chocolate ou cola (refrigerantes), interferem no uso de dipiridamol/adenosina como teste farmacológico.


Preparo


O paciente deve estar em jejum de ao menos 2 horas.


Riscos (efeitos colaterais indesejáveis)


Nenhuma reação grave foi descrita até agora com radiofármacos marcados com tecnécio-99m. O principal risco está relacionado ao estresse físico ou farmacológico (distúrbios do ritmo, infarto do coração, embora eventos graves muito raramente ocorram, 1-10 em 100.000 exames), eventos isquêmicos induzidos por estresse devem ser considerados se necessário. A capacidade de conduzir não é influenciada pelo este teste ergométrico em si, podendo ser afetada como efeito colateral dos vasodilatadores (dipiridamol e adenosina). Devem ser observadas as contra indicações específicas para o uso dos diferentes tipos de estresse farmacológico, vasodilatadores ou Dobutamina.
A carga de radiação está na faixa média no espectro dos exames de medicina nuclear.
Agentes de perfusão miocárdica infiltram o leite materno. Qualquer interrupção da amamentação deve ser discutida com a equipe do departamento de medicina nuclear.


Vantagens clínicas


Identificação não invasiva de isquemia em pacientes com queixas torácicas
Isquemia de estresse residual após um infarto do miocárdio
Viabilidade miocárdica
Exames de acompanhamento após angioplastia ou cirurgia de bypass.
Pesquisa não invasiva com suspeita de reestenose de um vaso coronário dilatado ou operado.


Doenças cardiovasculares no Brasil


No Brasil, as doenças cardiovasculares são as principais causas de morte. Segundo o Ministério da Saúde, cerca de 300 mil indivíduos por ano sofrem Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) e o óbito ocorre em 30% desses casos.

São mais de 1.100 mortes por dia, cerca de 46 por hora, 1 morte a cada 1,5 minutos (90 segundos). As doenças cardiovasculares causam o dobro de mortes que aquelas devido a todos os tipos de câncer juntos, 2,3 vezes mais que as causas externas (acidentes e violência), 3 vezes mais que as doenças respiratórias e 6,5 vezes mais que todas as infecções, incluindo a AIDS.

Acesse as redes sociais da SBMN e saiba mais sobre a Medicina Nuclear:


/Facebook
/Instagram

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin