Esta semana foi realizado, pela primeira vez no Brasil, um estudo de PET-CT neurológico com marcador de placas beta-amiloide marcado com 18-Fluor, o Neuraceq (Flurbetaben). O radioisótopo, que está em fase de pesquisa clínica e envolverá diversos centros no Brasil e no mundo, é mais uma arma no correto diagnóstico diferencial de Demências, especialmente em Doença de Alzheimer. 

O estudo está sendo realizado pela Dra. Cristina Matushita, Diretora Científica da SBMN, e pelo Dr. Diego Pianta, médicos nucleares do Instituto do Cérebro do Rio Grande do Sul (InsCer), coordenados pelo Dr. Jaderson Costa da Costa, diretor do InsCer, em parceria com a Life Molecular Imaging e a R2/IBF, e conta com a participação do Hospital Albert Einstein, UFPR/CETAC, DASA, ,Instituto de Pesquisa D’Or, Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa, United Health Group Brasil, e a Unicamp.

“O grande benefício do novo marcador de beta amiloide marcado com 18-F, produzido no CPR do InsCer sob a coordenação da radiofarmacêutica Louise Hartmann, é a capacidade de identificar o depósito destas placas em estruturas cerebrais, o que auxilia o médico assistente a guiar o diagnóstico e permite que a hipótese de Doença de Alzheimer seja fortalecida ou excluída”, explica a Dra. Cristina.

Conforme o fabricante, e em acordo com estudos já publicados, a identificação de depósito de placas amiloides não é o suficiente para diagnosticar Doença de Alzheimer, uma vez que uma parcela da população apresenta estes depósitos e nunca desenvolverá a doença. Quando o quadro clínico é muito sugestivo, a confirmação dos depósitos amiloides permite maior segurança no diagnóstico. Por outro lado, pacientes com quadro clínico demencial e que não apresentam depósitos amiloides ao estudo de PET-CT devem ser clinicamente reavaliados, pois a possibilidade de Doença de Alzheimer fica excluída.

A SBMN parabeniza os envolvidos na pesquisa e deseja grande sucesso no futuro próximo, na expectativa de que a disponibilidade deste novo radiofármaco ocorra em breve para o maior número de clínicas e pacientes.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin