Medicina nuclear na confirmação de morte encefálica: SBMN publica nova diretriz. Confira

16 mai 2017

SBMN publica nova diretriz que norteia o uso de Cintilografia de Perfusão Cerebral como conduta para verificação de funções cerebrais

Uma nova diretriz foi publicada pela Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear (SBMN), entidade filiada à Associação Médica Brasileira (AMB). Trata-se de recomendações que balizam a prática da medicina nuclear como instrumento para confirmação de morte encefálica através da cintilografia de perfusão cerebral.

A resolução do CFM no 1.480/97 que prevê quais as condutas complementares possíveis para constatação da morte encefálica podem ser aplicadas em complemento aos testes clínicos, a exemplo da cintilografia de perfusão cerebral, estabelecido como primeira medida para diagnóstico de cessação de funções cerebrais.

Confira a diretriz “Confirmação de morte encefálica através da cintilografia de perfusão cerebral”. Acesse o site da SBMN

As orientações foram elaboradas atendendo a um pedido do Conselho Federal de Medicina (CFM). O órgão fez a solicitação diretamente à SBMN para que houvesse indicativos da aplicabilidade da medicina nuclear na confirmação de morte encefálica, em complemento as já existentes diretrizes de eletroencefalograma e doppler transcraniano para essa finalidade.

Sobre as Direrizes da SBMN

Além desta diretriz referente ao uso da medicina nuclear no processo de confirmação de morte cerebral, a SBMN lançou em 2016 as suas primeiros diretrizes de procedimentos: Cintilografia das mamas; Cintilografia de Pesquisa do Linfonodo Sentinela no Câncer de Mama; Terapia com Octreotato-Dota-177Lu; Ventriculografia Radioisotópica; Manejo de pacientes adultos com Nódulos Tireoidianos e Câncer Diferenciado da Tireoide – Parecer sobre ATA 2015; Guideline de Cintilografia de Perfusão Miocárdica; Guideline de Cintilografia Óssea; e Guideline de PET/CT FDG-18F. Confira cada um deles na íntegra aqui

E, neste ano de 2017 a entidade iniciou a elaboração de cinco novas diretrizes da medicina nuclear. Os procedimentos são:

  • Terapia das metástases ósseas com rádio-223 no Câncer de Próstata
  • Tumores Neuroendócrinos: diagnóstico com PET Dota e Terapia com lutécio
  • PET PSMA-68Ga
  • PET FDG no câncer de ovário
  • PET FDG no câncer de endométrio e colo de útero

Estas recomendações devem ficar prontas em breve. De acordo com Barbara Amorim, diretora científica da Sociedade, essas novas Diretrizes da SBMN irão integrar o Projeto Diretrizes AMB.

A médica nuclear esclarece que esta iniciativa da entidade de gerar as diretrizes nacionais – baseadas na prática diária e na literatura médica internacional e brasileira – tem como objetivo contribuir no processo de alinhamento de condutas diagnósticas e terapêuticas no manejo do paciente submetido aos procedimentos com radiofármacos no Brasil.