Conquista SBMN: ANS determina cobertura obrigatória para tratamento com Radio-223

18 set 2017

É com satisfação que a SBMN compartilha mais uma grande conquista para a Medicina Nuclear no Brasil. Depois de anos de esforço junto a órgãos reguladores brasileiros, entre eles a Anvisa e convênios médicos, foi reforçada pela ANS a cobertura obrigatória do tratamento com Radio-223 (Xofigo®) para pacientes com câncer de próstata resistente à castração (CPRC) com metástases ósseas sintomáticas e sem metástases viscerais conhecidas.

“A posição da ANS corrobora exatamente com os achados dos estudos que mostram o impacto que o tratamento com Radio-223 tem na sobrevida de pacientes com câncer de próstata, melhorando os resultados do tratamento neste perfil de pacientes”, explica Juliano Cerci, presidente da SBMN. “Nós lutamos muito por isso e investimos muito esforço nessa luta e, finalmente, temos uma resposta que corrobora, do ponto de vista político os achados científicos”, completa.

Histórico

Considerado um dos principais avanços da última década, o Radio-223 teve seu uso aprovado em 2015 pela Anvisa pela tem eficácia comprovada, principalmente em tratamentos de câncer de próstata metastático resistente à castração.

Resultados de análises mostraram que homens que receberam o radiofármaco viveram uma média de 14 meses em comparação com uma média de 11,2 meses para os homens que receberam placebo.

A segurança e a eficácia do medicamento foram avaliadas em ensaio clínico com 809 homens com câncer de próstata resistente à castração sintomática, que se espalhou para os ossos, mas não para outros órgãos. Os pacientes foram distribuídos aleatoriamente para receber Radio-223 ou um placebo com melhor padrão de atendimento.

“A SBMN segue na luta junto ao Ministério da Saúde para garantir que o SUS ofereça o medicamente gratuitamente a pacientes que não têm plano de saúde”, reforça Cerci sobre os próximos passos na democratização da Medicina Nuclear no Brasil.

Confira o parecer técnico divulgado pela ANS em seu site